sábado, 7 de abril de 2012
Avatar

Pignes LIVE! #2 - Pink Floyd - Live at Pompeii

2 comentários
Gênero: Progressive rock/ Psychedelic rock
País de Origem: Reino Unido
Quando: 1971 — 1272
Onde: Piazza Anfiteatro em Pompeia, Itália

Comentário: Qual seria a definição de show? Ou melhor, o que é necessário para que uma apresentação receba este nome? Se na sua resposta apareceram as palavras palco ou público então eu sou obrigado a dizer que, como de costume, o Pink Floyd ultrapassou barreiras da criatividade. Isso porque Live at Pompeii é uma das melhores apresentações que vi na vida (vou evitar o termo 'show'), com o exorbitante diferencial de não ter uma pessoa sequer como platéia (equipe de filmagem não conta — sabe-se que três crianças foram convidadas a assistirem ao show, já que estavam por lá, porém não aparecem nas gravações). Foi somente o quarteto — na época formado por Roger Waters, David Gilmour, Nick Mason e Richard Wright — e a cidade deserta de Pompeia (também não foram registrados aparecimentos de fantasmas), conhecida historicamente por ter sido destruída e soterrada em 79 d.C pelo vulcão Vesúvio, sendo redescoberta e restaurada apenas muitos séculos depois. Sem dúvidas o lugar perfeito para uma banda como o Pink Floyd.

A idéia porém surgiu da mente do diretor Adrian Maben, que propôs o estranho, mas simples (na teoria) show dentro do antigo anfiteatro romano da cidade de Pompéia, Itália, que outrora sofrera com a fúria da natureza (ou do(s) deus(es), como quiser). Não seria necessario qualquer explicação lógica para isto, tamanha é a explosão de loucura e genialidade juntas, mas na versão Director's Cut (ou até mesmo nas versões mais simples, quem sabe) deste filme nós entendemos que isso também fora uma desculpa para produzir um filme Anti-Woodstock, ou seja, o lado oposto dos grandes festivais (festivais estes que estão cada vez mais na moda e que incluem em suas rotas até mesmo os países subdesenvolvidos).


Aqui vocês podem ver o Nick Mason, todo doidasso, tocando One Of These Days


Tudo isso parece ser mágico, e de fato é, tanto que em DVD (ou melhor, VHS) o espetáculo contou com slides de fotografias/vídeos das pinturas, esculturas e ruínas, e erupções vulcânicas (que pessoalmente é uma das maiores e melhores belezas da Natureza). A acústica se mostrou magnífica e era como se a banda estivesse onde sempre deveria estar, e como deveria soar. Além disto as câmeras giravam e filmavam o quarteto tanto de frente como de costas, onde ficavam as barreiras de amplificadores e outras toneladas de equipamentos. Perfeito!

Live at Pompei foi ao vivo, contou com alguns takes posteriores para a produção do filme para as telonas e parte dele fora gravado em um estúdio, mas ainda assim acho merecido sua participação neste quadro.


Porém é pouco provável que se pense em um espetáculo destas dimensões (mesmo sem a necessidade de se preocupar com um público) e evitar o pensamento de que algo tenha dado muito errado, ou ao menos de ter gerado consideráveis incômodos. E realmente, pelas palavras do próprio diretor, eles passaram por alguns problemas que incluíam a dificuldade no transporte das tais toneladas de equipamentos e dos eventuais apagões na cidade devido ao grande consumo de energia gerado pelos supracitados equipamentos — energia esta que só foi possível graças aos cerca de dois quilômetros de cabos.

A versão deste filme sob a visão do diretor pode ser assistida por completo, de graça e em HD logo abaixo. Foi retirada do canal oficial de Gilmor no Youtube.


The Director's Cut é a terceira versão do filme e possui entrevistas, imagens dos músicos comendo/conversando, entrevistas, cenas do programa espacial Apollo e imagens computadorizadas sobre o espaço. É uma ótima pedida, mas a primeira versão, contendo só as performances ao vivo, é a ideal pela ausência de interrupções e pelo sentimento de relíquia.


Finalizando, Live at Pompeii, na minha humilde opinião, é como um grande fator que pode ser usado para separar possíveis futuros amantes de Pink Floyd daquelas que morrerão de tédio. Mas não levem ao pé da letra, apenas é interessante ver a reação dos teus conhecidos quando você os recebem com este filme.


Logo abaixo deixarei apenas a tracklist do bootleg (remasterizado) que upei. Já os dvds, cada versão tem a sua, então veja aqui quais são.

Site//Lastfm


Tracklist:
01. Intro (02:18)
02. Echoes, Part I (11:00)
03. Interview, Part I (05:28)
04. Careful With That Axe, Eugene (06:15)
05. A Saucerful of Secrets (09:39)
06. Interview, Part II (07:02)
07. One of These Days (05:59)
08. Madamoiselle Knobs (01:40)
09. Interview, Part III (06:37)
10. Set the Controls for the Heart of the Sun (09:50)
11. Echoes, Part II (13:54)

Download - CD (bootleg): RapidShare//Turbobit//DepositFiles//Filejungle//Outros

Download - DVD(s): Torrent

2 Responses so far.

  1. Neste caso, em particular, eu recomendo: http://desciclopedia.ws/wiki/Pink_Floyd_Live_at_Pompeii

  2. "Veja quanta gente, quantos fantasmas, quantos ninjas e atiradores de elite compareceram ao concerto."

    uhahuahuauhahuahua

Leave a Reply

Link Off? Comente aqui mesmo ou na caixinha de bate papo ali do lado que a gente reposta rapidinho.

 
Ignes Elevanium © 2011 DheTemplate.com & Main Blogger. Supported by Makeityourring Diamond Engagement Rings

Poucos direitos reservados a nós e muitos para as bandas.