sábado, 10 de novembro de 2012
Avatar

Cobalt - Eater of Birds

0 comentários

Gênero
: Black Metal
País: EUA
Ano: 2007

Comentário: O Black Metal estadunidense nunca foi muito prolífico, mas ao mesmo tempo, tem bandas completamente únicas e influentes a dar com pau. Agalloch e Xasthur são dois nomes fortes, mas além destes ainda pode-se citar o Cobalt tranquilamente como uma das mais importantes bandas do USBM. Formada em 2003 no Colorado pela dupla Eric Wunder e Phil McSorley, a banda já lançou até a data três full-lenghts, dentre os quais Eater Of Birds foi o segundo a ser lançado. Todos os discos são excelentes, mas eu particularmente tenho um apreço especial por esse aqui.

Eu francamente não sou nenhum profundo conhecedor da história do USBM, mas por algum motivo todas as bandas de Black Metal 'tradicional' que eu escutei vindas de lá tem uma coisa comum: elas são profundamente influenciadas por uma veia punk, com riffs mais cadenciados e uma tendencia linda a variar a bateria do tradicional blast beat pra levadas diferenciadas, mais uma vez com um pézinho no hardcore punk. E isso tudo ao mesmo tempo não faz com que nenhuma dessas bandas soe 'moderna', nem perca a frieza cortante da indentidade do estilo. Pelo contrário, a forma com que essas bandas praticam o estilo dão um ar totalmente cru aos riffs, ainda mais por que os vocais permanecem os velhos e bons rasgados.

E o Cobalt é justamente, em minha opnião, a banda que melhor executa esse estilo de Black Metal, e este disco é o auge dessa vibe. Apesar de um constante feeling de estarmos ouvindo um Black Metal nórdico da melhor qualidade, sempre há em todos os cantinhos e detalhes das músicas a sensação de se estar ouvindo algo diferente. Talvez por isso a banda tem a ousadia de se encaixar num gênero a parte, o War Metal. As faixas tem um peso fenomenal, tanto nos trechos de blast beats retos e tremolos dissonantes, como nos riffs cadenciados acompanhados por uma bateria maravilhosa. A bateria do disco é sensacional, sinceramente. Os vocais são, como dito antes, rasgados tradicionais, mas até eles parecem diferenciados, embora talvez estes sejam mais pela atmosfera dos outros elementos que por eles próprios em si. Mas combinam muitissimo bem. E talvez a caracteristica do disco que mais defina o estilo do Cobalt seja o fato que os trechos instrumentais são incrivelmente frequentes em meios as músicas, numa óbvia referencia de como o instrumental é valorizado na banda, enquanto no Black Metal nórdico tradicional ele só tem papel de coadjuvante na grande maioria das vezes.

Em suma: ouça se voce curte um bom Black Metal, frio, cru e malvado, mas ao mesmo tempo não abre mão de se surpreender. Por que embora o Black Metal tradicional tenha toda sua frieza e malevolência, nós já sabemos o que esperar dele ao ouvirmos qualquer banda do estilo. Já o Cobalt nos dá algo a mais, algo diferente, que surge quando menos esperamos. E isso tudo sem se tornar uma banda experimental ou avant-garde. Isso tudo surge naturalmente. E isso que é fantástico.

E finalizando, vale ressaltar que o Cobalt é uma banda que faz parte do cast de uma das gravadoras mais interessantes da atualidade, a canadense Profound Lore Records, que tem em seu cast, entre outras bandas, nomes como Agalloch, Loss, Dark Castle, Evoken, Altar Of Plagues e YOB. Quase tudo que vem dessa gravadora tem qualidade diferenciada e fugindo dos padrões repetitivos e monótonos de estilos saturados. Então pode confiar.




Tracklist:

01. When Serpents Return 06:42
02. Ulcerism 07:26
03. Ritual Use of Fire I 04:43
04. Blood Eagle Sacrifice 06:24
05. Witherer 08:59
06. Ritual Use of Fire II 05:43
07. Invincible Sun 09:42
08. Androids, Automatons and Nihilists 03:59
09. Cephalopod 04:32
10. Ritual Use of Fire III 01:29
11. Eater of Birds 10:27

Download:

Rapidgator//DepositFiles//Uploaded

Leave a Reply

Link Off? Comente aqui mesmo ou na caixinha de bate papo ali do lado que a gente reposta rapidinho.

 
Ignes Elevanium © 2011 DheTemplate.com & Main Blogger. Supported by Makeityourring Diamond Engagement Rings

Poucos direitos reservados a nós e muitos para as bandas.