sábado, 15 de dezembro de 2012
Avatar

Mastodon - Discografia

2 comentários

Gênero: Progressive Rock/Metal/Sludge
País: Estados Unidos
Tempo em atívidade: 1999-Atualmente

Comentário: Mastodon {Atlanta, Georgia} foi formada em 1999, e durante a ultima década ascendeu de forma meteórica se tornando febre e conquistando pelo mundo adeptos vindos de diversos nichos, pessoas que não possuíam a minima empatia por música pesada passaram a simpatizar com o quarteto, alcançaram uma posição rara, o de fazer música estritamente pesada, mas que ficou longe de se limitar a um único segmento de público. A banda se destaca por consolidar um som próprio, onde fica um pouco difícil definir limites e barreiras, pois, de álbum para álbum ela consegue ser dinâmica, inconstante e isso sem deixar de lado suas próprias características sonoras já muito bem definidas e sedimentadas.

Cheios de técnica, a banda faz o contrário de muitas outras ditas progressivas e dispensa firulas desnecessárias, apesar de sempre surgir algum instrumento, nem que sutilmente e ligeiramente "solto", antecedendo, sobressaindo ou sucedendo as faixas, além de várias mudanças no andamento das músicas, investem principalmente na originalidade e numa mistura magnífica de estilos pesados e violentos como o Groove e o Hardcore. Somando com o caótico e contrastante Sludge e acrescentando ainda uma quantidade considerável de Stoner Rock, Rock Progressivo, Post-Rock entre outros elementos, fazem um grande caldeirão onde poderemos saborear sonoridades próximas às empenhadas por bandas influentes como Melvins, Neurosis, ISIS, Kyuss, e lembranças de revolucionárias como Pink Floyd, Black Sabbath e King Crimson.


O Mastodon além de tudo é uma banda de alta ligação e preocupação com a arte em todas as suas formas, indo muito além da música. São nerds, são apaixonados por literatura, cinema, história, e felizmente conseguem transpor tudo isso em suas obras com perfeição. Seu primeiro álbum, Remission, foi lançado numa época em que o Heavy Metal vivia um momento de mudanças, aquela chamada "New Wave of American Heavy Metal" estava em pleno fervor, e foi então que o Mastodon ao lado do Lamb of God surgiram liderando toda essa onda. Remission busca influências fortíssimas nas bandas de Sludge dos anos 90 como o Neurosis e o Eyehategod, mas ao invés de manter uma sonoridade mais lenta e cadenciada, puxada para o Doom, injetam altas doses de groove, hardcore e porque não o mathcore, visto que uma das mais notáveis características do Mastodon sempre foi a mudança de tempo absurda, a bateria extremamente quebrada de Brann e tudo o mais, características essas que definem o math-rock e mathcore. Remission atraiu olhares curiosos daqueles mais antenados que acompanhavam esse momento de transição, e  desde então começaram a arrebatar sua fanbase, March of the Fire Ants foi um single relativamente bem sucedido, Mother Puncher e Where Strides the Behemoth são porradas que nos fazem perder o rumo, e o melhor de tudo, sonoridades completamente novas nos eram apresentadas, e que viriam influenciar a seguir diversas bandas excelentes que pegaram embalo nessa nova onda do metal progressivo como Baroness e Gojira.

Dois anos a seguir, a banda continuou trabalhando e elevando sua carreira para um patamar cada vez mais alto, foi então que lançaram o icônico Leviathan. Tranquilamente um dos álbuns de heavy metal mais influentes dos anos 2000, tem seu trabalho inteiramente construído em cima do livro Moby Dick de Herman Melville, grande clássico da literatura americana. Em todo o disco temos as histórias do Capitão Ahab em sua obstinada busca por vingança contra a grande baleia branca, responsável por fazê-lo perder uma de suas pernas. É logo em sua faixa de abertura, Blood and Thunder que temos o maior clássico da carreira do Mastodon, a faixa que melhor traduz esse clima de vingança de Ahab que permeia todo o disco. 

Split your lungs with blood and thunder
When you see the white whale
Break your backs and crack your oars men
If you wish to prevail

This ivory leg is what propels me
Harpoons thrust in the sky
Aim directly for his crooked brow
And look him straight in the eye

Mais dois anos se passam até o lançamento do terceiro álbum de estúdio, Blood Mountain, neste temos o terceiro álbum elemental da banda, e o segundo realmente conceitual. Remission fora inteiramente baseado no elemento de fogo, mas ainda assim, não é de fato um álbum conceitual. Em Leviathan como dito anteriormente, temos um álbum inspirado na história de Moby Dick, e obviamente influenciado pelo elemento da água. Aqui em Blood Mountain o elemento é terra, e usando as palavras do próprio Troy S para definir o conceito do álbum "Trata-se de subir uma montanha e todas coisas diferentes que podem acontecer com você quando você está preso em uma, na floresta, e você está perdido. Você está morrendo de fome, tendo alucinações, correndo de criaturas estranhas. Você está sendo caçado. É sobre toda essa luta e sobrevivência." Musicalmente temos um approach mais pop em Blood Mountain, muitos dos grunhidos, urros, vocais rasgados e guturais que são constantes em Remission e Leviathan, abrem espaço para uma quantidade muito maior de vocais limpos encaixados entre os rasgados, com isso temos um apelo muito mais melódico do que anteriormente, o que nos leva a um sucesso comercial relativamente maior. Isso sem contar nas participações mais do que especiais, gente do nivel de Scott Kelly (Neurosis), Cedric Bixler (The Mars Volta) e Josh Homme (Queens of the Stone Age) contribuem em algumas das canções.

Dessa vez, para a concepção de Crack The Skye temos um atraso, foram longos três anos para a chegada do álbum que realmente tornou o Mastodon uma banda gigante. Esse atraso na verdade não foi intencional, a chegada deste terceiro álbum estava programada realmente para os dois anos de intervalo que a banda costuma manter entre um álbum e outro, porém, um curioso acontecimento mudou tudo. Em 2008, Brent estava em uma dessas premiações parecidas com o VMA, fim de noite, caminhando por um corredor e pra lá de bêbado, resolve tirar sua camisa e gira-la no ar, nisso acaba por acertar Shavo Odadjian (baixista do System of a Down) e um amigo que estavam por ali. Sem pensar duas vezes, o tal amigo do Shavo golpeou a cabeça de Brent, a pancada fora tão forte que quando a cabeça dele se chocou contra o chão, abriu, sangue escorreu pelas orelhas e nariz, além de o impacto ter causado convulsões, resumindo, Brent quase morreu. Para alguns, uma experiência de quase-morte pode virar a vida no avesso, fazer ela enxergar tudo de outra forma, e num surto de inspiração, Brent fez o grupo descartar todas as gravações que já haviam sido feitas para o quarto álbum, onde tudo indica que seria mais agressivo e pesado do que o anterior, Blood Mountain. Crack The Skye foi composto sob duas influências extremamente emocionais, essa experiência  de quase-morte de Brent, e o suicídio da irmã de Brann, Skye Dailor aos 14 anos, sendo então um disco inspirado em Skye, e também uma homenagem. Liderando as composições de Crack The Skye, Brent busca influências principalmente no seu gosto pelo rock psicodélico e pelo rock progressivo dos anos 70. O metal extremo que até então o Mastodon praticava até aqui, é quase que deixado de lado por completo, mas isso está longe de ter sido um problema visto que aqui que o Mastodon se tornou um monstro e emplacou o que para muitos foi o melhor álbum da década passada. Sem exageros, ele realmente é um álbum incrível, atmosférico e imersivo como poucos, extremamente bem construído, musicalmente perfeito e com um catchy enorme, além de que quando ouvido atentamente, não é difícil de ser transportado para o ambiente da história contada nele, que é tão bizarra e interessante que vale apena ser resumida por aqui – Um jovem tetraplégico não muito contente com a vida que leva, descobre a capacidade de fazer viagens astrais, um dia em uma dessas viagens ao se aproximar demais do sol, seu cordão de prata é queimado, fazendo o vagar perdido pelo plano espiritual, de alguma forma ele acaba indo parar na Russia Czarista, onde tenta avisar Rasputin sobre a conspiração de assassinato contra ele (The Czar talvez seja a melhor música de toda a discografia do grupo), após a inevitável morte de Rasputin, o espirito do místico russo decide ajudar o jovem a encontrar o caminho de volta para seu corpo, eis que são surpreendidos por um demônio querendo possuir essa pobre alma perdida, e que deverá ser enfrentado para que por fim, o rapaz retorne para o seu corpo. Sim, eu sei o que você está pensando agora "DROGAS", e realmente, é uma baita história lisérgica,  mas compactua perfeitamente com toda a construção do disco. 

Era apenas uma questão de tempo para nascer algo que muitos fãs queriam. Em outubro de 2009, gravaram um show no histórico Aragon Ballroom, que posteriormente saiu em CD e DVD no ano de 2010. Além do Crack the Skye, uma música de cada full-lenght da banda estava no setlist (duas do Remission), o qual foi encerrado com um cover do Melvins: The Bit. Fora toda a qualidade musical, vale citar a parte visual do show, para adornar a execução do Crack The Skye, um filme foi gravado com imagens pra lá de psicodélicas rolarem ao fundo. Ainda em 2010 eles lançaram um EP contendo a trilha sonora do filme Jonah Hex, contendo apenas faixas instrumentais. O filme não é lá grandes coisa, mas a trilha sonora até que ficou bacana. 

Por fim chegamos ao The Hunter, o mais recente trabalho de estúdio. Talvez tenha sido o álbum com espera mais hypada da trajetória do Mastodon, o que viria após Crack The Skye? Teriam eles chegado ao limite? The Hunter eu diria ser o álbum mais descompromissado dentre todos, um álbum que para eles foi mais do que tudo, divertido de se criar, provavelmente o caminho certo a seguir após um álbum tão denso como o anterior. Sem um elemento tema, ou uma história por trás, The Hunter é um álbum na medida do possível comum, um ótimo álbum, mas se mantém comum. Todas as faixas são excelentes, que passeiam por estilos diversos mas sem ligações entre si. Faixas como Black Tongue, All The Heavy Lifting e Creature Lives passam um sentimento mais épico, enquanto Curl of the Burl investe em um quase Stoner/Southern Rock. Stargasm é uma música que poderia muito bem ter feito parte do Crack The Skye, e contrastando com a paulada Spectrelight temos as baladas The Hunter e The Sparrow.

O Mastodon já completou uma década de vida desde o lançamento de seu primeiro álbum, e está resistindo à prova do tempo, mais do que isso, está crescendo mais e mais. Se daqui 20 ou 30 anos eles serão considerados lendas como as bandas de 20 ou 30 anos atrás eu não sei, mas que eles já conseguiram deixar uma pequena marca no mundo da música, isso eles conseguiram. 

Curiosidades

Outro destaque, como não poderíamos esquecer, é o lado artístico-visual da banda que encontramos em seus trabalhos. As capas do Mastodon são de autoria de Paul A. Romano {também fez a capa "Messiah", do Godflesh, além de vários trabalhos que incluem bandas como Trivium, The Red Chord, Through the Eyes of the Dead, The Acacia Strain...} e possuem um valor visual magnífico, fortes e ricas em cores e traços. Os clipes igualmente não ficam atrás, são diversas referências utilizadas pela banda principalmente em relação ao cinema (Seabest e Melies, Oblivion e 2001: Space Odyssey).

Sobre o álbum descartado por completo anterior as gravações de Crack The Skye, uma única música foi salva e lançada posteriormente como Single juntamente de um clip divertidíssimo, Deathbound.

Brann e Skye eram irmãos muito próximos, com menos de um ano de idade de diferença entre eles. Ambos tiveram uma infância difícil, mãe viciada em heroína, padrasto abusivo, até que aos 14 anos, após sofrer bullying pesado de alguns garotos, Skye resolve tirar sua própria vida. 

A marcante tatuagem na testa de Brent foi feita para cobrir a cicatriz deixada pelo impacto que sofreu quando sua cabeça estatelou no chão após o soco que tomou.

O cervo da capa do The Hunter é uma escultura em madeira incrível, seu processo de fabricação pode ser visto no clip de Black Tongue.

Em 2012 o Mastodon e a cantora pop canadense Feist gravaram um split single, onde cada um reinterpretou a música do outro, ambas as versões ficaram bem interessantes.

Membros

Troy Sanders - Vocals, Bass (Social Infestation, Puaka Balava, Four Hour Fogger, Knuckle, Yakuza)
Brent Hinds - Vocals, Guitars (Fiend Without a Face, Four Hour Fogger, The Blood Vessels, West End Motel)
Bill Kelliher - Guitars, Vocals (Today Is the Day, Lethargy (USA))
Brann Dailor - Drums, Vocals (Today Is the Day, Lethargy (USA), Gaylord)




Album: Remission
Ano: 2002

Tracklist

1.Crusher Destroyer 2:00
2.March of the Fire Ants 4:25
3.Where Strides the Behemoth 2:55
4.Workhorse 3:45
5.Ol'e Nessie 6:04
6.Burning Man 2:46
7.Trainwreck 7:04
8.Trampled Under Hoof 3:00
9.Trilobite 6:29
10.Mother Puncher 3:48
11.Elephant Man 8:01







Album: Leviathan
Ano: 2004

Tracklist

1.Blood and Thunder  3:48
2.I Am Ahab  2:45
3.Seabeast  4:15
4.Ísland  3:26
5.Iron Tusk  3:03
6.Megalodon  4:22
7.Naked Burn 3:42
8.Aqua Dementia  4:10
9.Hearts Alive  13:39
10.Joseph Merrick  3:33






Album: Call Of The Mastodon
Ano: 2006

Tracklist

1.Shadows That Move   3:36
2.Welcoming War  2:47
3.Thank You for This  1:39
4.We Built This Come Death  2:06
6.Battle at Sea  4:14
7.Deep Sea Creature  4:40
8.Slickleg  3:31
9.Call of the Mastodon  3:39

Rapidshare//Bayfiles//Rapidgator




Album: Blood Mountain
Ano: 2006

Tracklist

1.The Wolf Is Loose   3:33
2.Crystal Skull  3:23
3.Sleeping Giant  5:24
4.Capillarian Crest  4:24
5.Circle of Cysquatch  3:18
6.Bladecatcher  3:20
7.Colony of Birchmen  4:18
8.Hunters of the Sky  3:50
9.Hand of Stone  3:30
10.This Mortal Soil  4:54
11.Siberian Divide  5:30
12.Pendulous Skin  22:16



Rapidshare//Bayfiles//Rapidgator




Album: Oblivion EP
Ano: 2009

1.Oblivion 5:46
3.The Bit (Live at XFM)  4:55
4.Colony of Birchmen (Live at XFM)  3:59





Album: Crack The Skye
Ano: 2009

Tracklist

1.Oblivion   5:46
2.Divinations  3:39
3.Quintessence  5:27
4.The Czar  10:55
I. Usurper
II. Escape
III. Martyr
IV. Spiral
5.Ghost of Karelia  5:25
6.Crack the Skye  5:54
7.The Last Baron  13:00



Rapidshare//Bayfiles//Rapidgator




Album: Jonah Hex: Revenge Gets Ugly EP
Ano: 2010

Tracklist

2.Clayton Boys (Film Version)  3:12
3.Indian Theme (Film Version)  4:10
4.Train Assault (Film Version)  4:13
5.Death March (Alternate Version)  9:07
6.Clayton Boys (Alternate Version)  3:12





Album: Live At The Aragon
Ano: 2010

Tracklist

1.Oblivion
2.Divinations
3.Quintessence
4.The Czar
i. Usurper
ii. Escape
iii. Martyr
iv. Spiral
5.Ghost of Karelia
6.Crack the Skye
7.The Last Baron
8.Circle of Cysquatch
9.Aqua Dementia
10.Where Strides the Behemoth
11.Mother Puncher
12.The Bit







Album: The Hunter
Ano: 2011

Tracklist

1.Black Tongue  3:27
2.Curl of the Burl  3:40
3.Blasteroid  2:36
4.Stargasm  4:40
5.Octopus Has No Friends  3:49
6.All the Heavy Lifting  4:31
7.The Hunter  5:18
8.Dry Bone Valley  4:00
9.Thickening  4:31
10.Creature Lives  4:41
11.Spectrelight  3:10
12.Bedazzled Fingernails  3:08
13.The Sparrow  5:31
14.Deathbound 2:46
15.The Ruiner 3:10







Album: Feistodon
Ano: 2012

Tracklist

A.Mastodon - Commotion
B.Feist - Black Tongue



Rapidshare//Bayfiles//Rapidgator

2 Responses so far.

  1. Gustavo Lima says:

    Muito obrigado pelos links, vou baixar os que faltam pra mim (Call of the Mastodon, Jonah Hex EP e Feistodon). E correção, a Feist é canadense, não francesa.

  2. Koticho says:

    Opa, ta certo. Arrumarei, obrigado.

Leave a Reply

Link Off? Comente aqui mesmo ou na caixinha de bate papo ali do lado que a gente reposta rapidinho.

 
Ignes Elevanium © 2011 DheTemplate.com & Main Blogger. Supported by Makeityourring Diamond Engagement Rings

Poucos direitos reservados a nós e muitos para as bandas.