sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014
Avatar

Nachtmahr - Feindbild

0 comentários

Gênero
: Industrial/EBM
País: Áustria
Ano: 2014

Comentário: Projeto solo de Thomas Rainer, famoso pelo L'âme Immortelle, o Nachtmahr vem sendo, desde que surgiu, em 2007, um dos mais intensos projetos de Industrial de toda a cena. E aqui quando se fala em "Industrial" se pensa em batidas REALMENTE intensas, bate estaca constante com o máximo possível de bass kick, vocais rasgados constantemente e essencialmente na lingua alemã, o idioma oficial do EBM (que se preze).

No seu último álbum, Veni Vidi Vici, Thomas tomou um caminho sutilmente mais leve, visivelmente menos pesado que os álbuns anteriores. Em Feindbild o clima ainda não é tão corrossivo quanto nos primeiros discos, mas é com certeza bem mais pesado que o disco anterior. O que no entanto não deixou de dar espaço para faixas mais dançantes e melódicas, como o cover I Hate Berlin e a faixa Die Fahner Unserer Väter, que maravilhosamente tornam a musicalidade do Nachtmahr imprevisível, finalmente. Por que embora eu ame os discos mais pesados e crus do Nachtmahr, eu confesso que já era completamente repetitivo. Feindblind mistura várias fases do projeto, numa amostra visível de maturidade da sua sonoridade.

Genialmente, Thomas consegue, mesmo usando vocais limpos, não dar um clima "L'âme Immortelle" pras faixas graças ao instrumental muito mais pesado e a temática sempre constante na segunda guerra, com batidas marciais o tempo inteiro. O mimetismo do compositor é uma das coisas que eu mais admiro em Rainer, e ele consegue manter uma qualidade constante em tudo que compõe que é invejável. Até os samples que ele encaixa na maioria das faixas são extremamente bem escolhidos. É curioso como a sonoridade do Nachtmahr parece ser bem menos saturada que muitos projetos de Industrial/EBM, mais enxuta e mais direcionada, mas consegue ser muito, muito mais intensa. Tomemos como exemplo outro projeto que admiro muito na cena, o Heimartaede. Comparando a densidade de sintetizadores nas duas musicalidades, o Nachtmahr é incrívelmente mais econômico, mas passa a mesma atmosfera opressiva. A faixa que sem dúvida mais exemplifica isso é a fantástica Parasit.

Mas acima de ser um excelente compositor, Thomas Rainer é um excelente vocalista. Seu vocal rasgado, que é o protagonista do álbum, é intenso exatamente com o estilo pede, mas seu vocal limpo é fantástico desde o L'âme Immortelle (eu, francamente, embora goste muito do L'âme, sempre fico esperando ansiosamente pelas músicas que o Thomas canta nos álbuns). Quando Thomas faz vocais limpos de forma mais estridente e grave, é impossível não nos lembrarmos da intensidade germânica do Rammstein. O que é inevitável, mas não é e nunca será um defeito.

Em suma, Nachtmahr novamente nos faz ter vontade de vestir um uniforme militar. Pra dançar e berrar em alemão, naturalmente. Mas não fazendo odes à Alemanha, e sim exclamando: Kaiserthum Österreich über alles!

PS: Feindbild foi lançado hoje, 14.02.14, numa edição especial que vem acompanhada de uma HQ de 36 páginas, por isso a capa tão cartunizada, feita pelo artista alemão Bruce Stirling John Knox. Por sinal, confiram o trabalho do cara no site oficial dele, aqui. É finíssimo.


Tracklist:

1 Wir sind zurück
2 Dämon
3 I Hate Berlin (feat. Frl. Plastique) (Second Decay Cover)
4 Die Fahnen unserer Väter
5 Chaos
6 Parasit 
7 Feindbild
8 Stehend sterben
9 Liebst du mich?
10 The Torch
11 Wache

Download:

MEGA (98 Mb, 320 Kbps)

Leave a Reply

Link Off? Comente aqui mesmo ou na caixinha de bate papo ali do lado que a gente reposta rapidinho.

 
Ignes Elevanium © 2011 DheTemplate.com & Main Blogger. Supported by Makeityourring Diamond Engagement Rings

Poucos direitos reservados a nós e muitos para as bandas.